Abordagem endovascular

Tratamento cirúrgico dos aneurismas complexos e das dissecções crônicas da aorta torácica com a técnica operatória do Frozen Elephant Trunk – FET

28/12/2017 | 11:05

Ricardo Dias *

O tratamento cirúrgico das doenças complexas da aorta torácica, principalmente os que envolvem grandes extensões da valva, como o arco aórtico e a aorta descendente, sempre representou um desafio para o cirurgião cardiovascular. A operação, realizada em duas etapas, apresentava elevada morbimortalidade em ambas e ainda havia o risco de morte durante a recuperação do paciente, no intervalo de tempo da primeira para a segunda operação.

Fig.1. Prótese híbrida Evita Open® da Jotec.

Com o desenvolvimento tecnológico das próteses a partir de 1996, entretanto, as grandes operações da aorta, como extensos aneurismas, dissecções crônicas e, posteriormente, também, as dissecções tipo A agudas, puderam ser realizadas através de um único procedimento cirúrgico. Atualmente, temos disponível no mercado nacional para uso nessas cirurgias, somente a prótese da figura 1, mas, brevemente, poderemos usar também a prótese da figura 2.

Fig.2. Prótese híbrida Thoraflex® da Terumo.

Apesar de a operação com a prótese da figura 2 ser mais trabalhosa do que a cirurgia com a prótese da figura 1, a utilização da prótese ramificada permite realizar a cirurgia com um tempo menor de isquemia sistêmica e miocárdica. Esta é a principal diferença entre ambas: a redução do risco da operação e de algumas complicações, principalmente, de paraplegia. A cirurgia híbrida, como é chamada a combinação da cirurgia convencional com abordagem endovascular, apresenta ainda a vantagem de eliminar a necessidade de uma segunda operação para complementar o tratamento da aorta doente. Com isso, diminui tanto o risco de morte no intervalo entre as operações, durante a recuperação do paciente, como o representado pela segunda operação.

Mas a operação não é simples. Requer treinamento especializado e o envolvimento dos cirurgiões com as equipes de anestesia, perfusão, instrumentação, além de cuidados específicos do pós-operatório. No InCor, esta cirurgia híbrida é realizada rotineiramente desde 2009, com resultados semelhantes aos registrados na literatura internacional. O aspecto final da operação pode ser observado no esquema abaixo (fig. 3) e na imagem de reconstrução da angiotomografia (fig. 4).

Fig.3. Esquema da cirurgia com a prótese Thoraflex®.
Fig.4 Angiotomografia pós-operatória da operação de reconstrução da aorta ascendente, arco e descendente em paciente com extenso aneurisma da aorta torácica, em que se utilizou a prótese Evita Open®.

* Cirurgião cardiovascular responsável pelo Núcleo Cirúrgico de Miocardiopatias e Doenças da Aorta do InCor


Referência Bibliográfica

  1. Dias RR, Duncan JA, Vianna DS, ET al. Surgical treatment of complex aneurysms and thoracic aortic dissections with the frozen elephant trunk technique. Braz J Cardiovasc Surg 2015,30(2): 205-10. doi: 10.5935/1678-9741.20140119.

  2. Mestres CA, Tsagakis K, Pacini D, ET al. One-stage repair in complex multisegmental thoracic aneurysmal disease: results of a multicentre study. Eur J Cardiothorac Surg 2013; 44(5):325-31. doi: 10.1093/ejcts/ezt374.

  3. Lus F, Fleissner F, Pichlmaier M, ET al.Total aortic arch replacement with the frozen elephant trunk technique: 10-year follow up single centre experience. Eur J Cardiothoracic Surg 2013:44(5):949-57. doi: 10.1093/ejcts/ezt229.

Veja também

23/04/2018 | tecnologia virtual

Modelo de coração vivo

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top