Acurácia das medidas antropométricas globais e regionais de adiposidade na triagem da apneia obstrutiva do sono: dados da coorte ELSA-Brasil

29/01/2019 | 18:00

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é uma condição subdiagnosticada na prática clínica. A falta relativamente frequente de sintomas típicos para a AOS bem como a restrição da oferta da polissonografia (considerado o exame de escolha para o diagnóstico da AOS) são responsáveis em parte pelo subdiagnóstico desta doença. Diversos estudos exploraram o desenvolvimento de métodos de triagem para identificação de indivíduos com AOS. O excesso de peso é um fator de risco bem estabelecido para a AOS. As medidas antropométricas globais (índice de massa corporal, IMC) e regionais (por exemplo: circunferências do pescoço e cintura) de adiposidade são ferramentas simples e de baixo custo que têm sido correlacionadas com a AOS. Além disto, questionários de triagem da AOS, embora validados, tem uma acurácia não ideal em detectar este distúrbio do sono. No entanto, não está claro se a combinação de duas ou mais destas medidas antropométricas melhorariam o desempenho em identificar indivíduos com AOS. Portanto, o objetivo principal deste estudo foi o de comparar o desempenho de diversas medidas antropométricas isoladamente ou de forma combinada na identificação da AOS em adultos não referidos para o Laboratório do Sono derivados da coorte do Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (ELSA-Brasil). Métodos: Trata-se de um estudo transversal que recrutou adultos de ambos gêneros, participantes do ELSA-Brasil, centro São Paulo. Os participantes realizaram avaliações do sono com a poligrafia portátil domiciliar (Embletta GoldTM) e questionários que avaliam risco para a AOS (questionário de Berlim e escore NoSAS). As medidas antropométricas – IMC, circunferência do pescoço (CC), circunferência da cintura abdominal (CC), circunferência do quadril (CQ), razão cinturaestatura (RCE), razão cintura-quadril (RCQ) e índice de forma corporal (IFC) – foram feitas de forma padronizada e sem o conhecimento sobre os dados do sono. A análise da curva Receiver Operating Characteristic (ROC) foi realizada e a área sob a curva (AUC) foi calculada para avaliar a acurácia das medidas antropométricas na detecção da AOS. A análise de regressão logística foi realizada combinando as medidas antropométricas globais com as regionais (cervical e/ou abdominal) ajustando para dois outros importantes fatores de risco para a AOS: a idade e o sexo. Além disto, comparamos o desempenho das medidas antropométricas com o questionário de Berlim e o escore NoSAS. Resultados: No período de dois anos recrutamos inicialmente 2.334 participantes, dos quais 2.059 completaram todas as avaliações propostas. A amostra geral era predominantemente do sexo feminino (56%) e a média de idade foi de 49 ± 8 anos. A frequência da AOS foi de 32,3%, sendo que a porcentagem de homens (58 vs. 37%) e a idade (51 ± 8 vs. 48 ± 8 anos) foi significantemente maior no grupo com versus sem AOS, respectivamente. Aproximadamente um terço da amostra total era composta por indivíduos com sobrepeso ou obesidade. Participantes com AOS tiveram maior frequência de sobrepeso/obesidade e maiores valores das medidas antropométricas do que aqueles sem AOS. Todas as medidas antropométricas isoladamente apresentaram razoável capacidade de identificar a AOS (AUC aproximadamente de 0,700). Houve uma discreta melhora na acurácia após o ajuste para a idade e o sexo, sendo que a maior AUC foi encontrada para o IMC (AUC=0,760 [IC 95%: 0,739 – 0,781]), seguido por RCE (AUC=0,758 [IC 95%: 0,737 – 0,780]), CC (AUC=0,753 [IC 95%: 0,732 – 0,775]), CP (AUC=0,733 [IC 95%: 0,711 – 0,755]), RCQ (AUC=0,722 [IC 95%: 0,699 – 0,745]) e IFC (AUC=0,680 [IC 95%: 0,656 – 0,704]). Não foi observado diferenças significantes nas AUCs exceto para o menor valor observado para o xii IFC (p <0,05 vs. demais medidas). A combinação de diferentes medidas antropométricas não resultou em melhora da acurácia em descriminar a AOS. Na comparação das medidas antropométricas com os questionários de triagem, não observamos diferenças significativas no desempenho do IMC ajustado para a idade e o sexo (AUC=0,748 [IC 95%: 0,727 – 0,770]) em relação ao escore NoSAS (AUC=0,760 [IC 95%: 0,739 – 0,781]). No entanto, o questionário de Berlim (AUC=0,676 [IC 95%: 0,653 – 0,699]) apresentou um desempenho inferior em relação ao IMC ajustado e ao escore NoSAS (p <0,05 para cada comparação). Conclusões: Entre diversas medidas antropométricas globais e regionais de adiposidade, o IMC ajustado para a idade e sexo teve a melhor acurácia para detectar a AOS em uma coorte de indivíduos não referidos para estudo do sono. A combinação de medidas de adiposidade regional ou a combinação destas com o IMC não melhorou a capacidade de detectar a AOS. No entanto, considerando os valores das AUCs para as variáveis antropométricas bem como as AUCs dos questionários de sono disponíveis, esses dados reforçam a necessidade de ferramentas
adicionais para reduzir o subdiagnóstico da AOS.

Descritores: apneia obstrutiva do sono; adiposidade; antropometria; triagem; diagnóstico;
estudos transversais.

Santos RB. Acurácia das medidas antropométricas globais e regionais de adiposidade na triagem da apneia obstrutiva do sono: dados da coorte ELSA-Brasil [tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2018.

Autor: Ronaldo Batista dos Santos
Orientador: Prof. Dr. Luciano Ferreira Drager
Programa: Cardiologia
Data e local: 29 de janeiro de 2019, 8h, na Farmacologia – Av. Dr. Arnaldo, 455 – 3º andar FMUSP.

Acesse a tese completa em PDF

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top