Influência da funcionalidade do HDL-colesterol sobre o escore de cálcio em usuários de esteroides androgênicos anabólicos

15/08/2019 | 18:00

O uso abusivo de esteroides androgênicos anabólicos (EAA) tem sido associado com doença arterial coronariana (DAC). Entretanto, os mecanismos envolvidos na DAC nessa população não estão totalmente esclarecidos. Os EAA levam a redução das concentrações da lipoproteína de alta densidade (HDL), a qual pode ser um dos fatores chaves no processo aterosclerótico. Não apenas a concentração, mas também funcionalidade da HDL está envolvida no processo da DAC. Entretanto, é desconhecido se usuários de EAA apresentam alteração na funcionalidade da HDL. Além disso, distúrbio no padrão de fluxo (Shear Rate – SR), caracterizado pelo aumento do fluxo retrogrado e oscilatório na artéria braquial, está associado com inflamação, aterosclerose, disfunção endotelial e hiperatividade do sistema nervoso simpático. Jovens não apresentam distúrbio no SR. Entretanto, idosos apresentam esse distúrbio qual parece estar associada com hiperatividade simpática. Interessantemente, o abuso de EAA está associado com aumento da atividade nervosa simpática muscular (ANSM). No entanto, não é conhecido se jovens usuários de EAA apresentam distúrbio no SR. Objetivos: Avaliar a funcionalidade da HDL por meio do efluxo do colesterol e capacidade antioxidante, avaliar a presença de DAC em usuários de EAA; avaliar o comportamento do SR da artéria braquial com a associação da ANSM. Além disso, também avaliamos a proteína C reativa ultrassensível (PCR-us). Métodos: Vinte usuários de EAA (UEAA), 20 não usuários de EAA (ambos grupos praticantes de musculação) e 10 sedentários controles (SC) pareados pela idade (29±5 anos) foram avaliados nesse estudo transversal. A funcionalidade da HDL foi avaliada pelo efluxo do 14C-colesterol e pela habilidade da HDL em atrasar a oxidação da LDL. A presença de DAC foi avaliada pela angiotomografia computadorizada. Além disso, avaliamos o SR da artéria braquial em um subgrupo de 10 usuários de EAA e 10 não usuários de EAA. Em repouso, SR retrógrado e oscilatório foram avaliados por meio de ultrassom, ANSM pela técnica de microneurografia e o PCR-us por exame de sangue. A dilatação do fluxo mediado (FMD) também foi avaliada. Resultados: O efluxo do colesterol foi menor no grupo UEAA comparado com os grupos NUEAA e CS (20 vs. 23 vs. 24%, respectivamente, p < 0,001). Entretanto, o tempo de atraso para oxidação da LDL foi maior no grupo UEAA comparado aos grupos NUEAA e CS (41 vs. 13 vs. 11 min, respectivamente, p < 0.001). Foram encontradas placas ateroscleróticas em pelo menos 2 artérias em 25% do grupo EAA. Por outro lado, nenhuma placa foi encontrada nos grupos NUEAA e CS. Encontramos uma correlação negativa com o tempo de uso de EAA e efluxo do colesterol. O grupo UEAA apresentou maior SR retrógrado (24,42 ± 17,25 vs. 9,15 ± 6,62 s−1, p = 0,01) e oscilatório (0,22 ± 0,13 vs. 0,09 ± 0,07 au p = 0,01) e ANSM (42 ± 9 vs 32 ± 4 disparos/100 batimentos, p = 0,018) comparado ao grupo NUEAA. Foi encontrada correlação positiva entre SR retrógrado e ANSM (r = 0,50, p = 0,050) e SR oscilatório e ANSM (r = 0,51, p = 0,042). O grupo UEAA apresentou elevação da PCR-us [1,17 (0,44‐3,63) vs 0,29 (0,17‐0,70) mg/L, p = 0,015] e redução da FMD (6,42 ± 2,07 vs. 8,28% ± 1,53%, p = 0,035) comparado ao grupo NUEAA. Conclusão: Nosso estudo indica que o abuso de EAA prejudica o efluxo do colesterol mediado pela HDL. O tempo de uso de EAA parece estar associado com menor efluxo do colesterol e DAC precoce nessa população. O EAA está associado com aumento do SR retrógado e oscilatório o qual estão associados com aumento da ANSM. Além disso, o EAA parece causar inflamação caracterizada pelo aumento da PCR-us. Todas essas alterações podem estar envolvidas no desenvolvimento de DAC precoce em jovens usuários de EAA.

Descritores: Anabolizantes; Efluxo do colesterol; HDL-colesterol; Doença da artéria coronariana; Fluxo retrógrado; Sistema nervoso simpático.

Souza, FR. Influência da funcionalidade do HDL-colesterol sobre o escore de cálcio em usuários de Esteroides Androgênicos Anabólicos. [tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2019.

Autor: Francis Ribeiro de Souza
Orientador: Profa. Dra. Maria Janieire de Nazaré Nunes Alves
Programa: Cardiologia
Data e local: 15 de agosto de 2019, 8h, na Farmacologia (Sala 3104) – Av. Dr. Arnaldo, 455 – 3º andar FMUSP.

Acesse a tese completa em PDF

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top