Narguilé: um risco à saúde

Na população masculina brasileira, entre 18 e 24 anos, o uso mais que dobrou no período de 2008 a 2013.

08/10/2018 | 15:40

* Stella Martins

Narguilé
Foto: namiroz / iStock

O narguilé alcança status de epidemia moderna, sendo uma nova porta de entrada para o tabagismo entre os jovens. Na população masculina brasileira, entre 18 e 24 anos, o uso mais que dobrou no período de 2008 a 2013, passando de 2,3% para 5,5%, um aumento de 139%.

Estudo conduzido, nesse mesmo período, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, revelou que mais de 40% dos alunos do 3º e 6º anos já haviam experimentado narguilé.

Entre os principais motivos para o aumento da experimentação estão o acesso fácil e o modismo para a socialização com amigos. Consta também o uso de aditivos, com uma infinidade de aromas e sabores, que aumentam a atratividade do tabaco do narguilé. E mais a falta de conhecimento dos danos à saúde associada à crença de que as substâncias tóxicas são filtradas e purificadas pela água, tornando o narguilé um produto menos maléfico à saúde.

No narguilé, as tragadas são mais frequentes, em maior número e duração, e com menor intervalo, gerando um volume total de fumaça inalado de 90 litros. No cigarro, em comparação, esse volume é de 350 mililitros.

Leia mais: Tabagismo e o câncer de pulmão

O tabaco do narguilé é composto de 30% de tabaco e 70% de mel ou melaço, umectantes e/ou inúmeros sabores de frutas.

Estudo que comparou uma sessão de narguilé com o uso de um único cigarro observou que as concentrações de nicotina, alcatrão e monóxido de carbono eram muito mais elevadas no narguilé (4,1 vs 1,8; 619 vs 24 e 192 vs 17 mg respectivamente). Numa sessão de narguilé, foram encontradas 82 substâncias tóxicas, além de 11 elementos classificados no Grupo 1 da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc), como carcinogênicos para humanos.

O carvão chamado ecológico, derivado da casca do coco, é comercializado como “100% natural”, levando os jovens à crença de que é mais seguro ou até inócuo à saúde. Na realidade, esse tipo de carvão também está contaminado com hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP), classificados no Grupo 1 da Iarc, para os quais não há nenhum nível seguro de exposição.

As essências herbais para uso no narguilé não possuem tabaco, portanto, não contêm nicotina, substância causadora de dependência. Entretanto, a ausência da nicotina não torna esse produto mais seguro. Estudo observou a presença dos cancerígenos como alcatrão, HAP, formaldeído e acetaldeído, além do monóxido de carbono e óxido nítrico.

Uma ou mais sessões por dia de narguilé podem desencadear doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Usuários de narguilé têm 339% mais chance de morte por câncer de pulmão se comparados aos não fumantes de narguilé. Além disso, compartilhar a mesma piteira durante as sessões de narguilé é risco para doenças infectocontagiosas, entre elas influenza, herpes labial e possivelmente tuberculose.

Diante do exposto, é possível afirmar que o uso do narguilé, com tabaco ou com herbais, eleva o risco para doenças cardiorrespiratórias, diversos tipos de cânceres e doenças infectocontagiosas.

*Médica Assistente da Divisão de Pneumologia.


Referência Bibliográfica

  1. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Percentual de fumantes homens que usam narguilé no Brasil mais que dobra em cinco anos. Agência de notícias. 2015 Set 3;[Internet][citado em 2015 out 15]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/agencianoticias/site/home/noticias/2015/percentual_fumantes_homens_que_usam_narguile_mais_que_dobra_em_cinco_anos_brasil

     

  2. Martins SR, Paceli RB, Bussacos MA, Fernandes FLA, Prado GF, Lombardi EMS, Terra-Filho M, Santos UP. Experimentation with and knowledge regarding water-pipe tobacco smoking among medical students at a major university in Brazil. J Bras Pneumol.2014;40(2):102-10.

  3. Shihadeh A, Saleh R. Polycyclic aromatic hydrocarbons, carbon monoxide, “tar”, and nicotine in the mainstream smoke aerosol of the narghile water pipe. Food Chem Toxicol.2005;43(5):655-61.

     

  4. Hammond D, Wiebel F, Kozlowski LT, Borland R, Cummings KM, O’Connor RJ, et al. Revising the machine smoking regime for cigarette emissions: implications for tobacco control policy. Tob Control. 2007;16(1):8-14.

     

  5. Hadidi KA, Mohammed FI. Nicotine content in tobacco used in hubble-bubble smoking. Saudi Med J. 2004;25(7):912-7.

  6. Shihadeh A, Schubert J, Klaiany J, Sabban ME, Luch A, Saliba NA. Toxicant content, physical properties and biological activity of waterpipe tobacco smoke and its tobacco-free alternatives. Tob Control. 2015;24(Suppl 1):i22-i30.

     

  7. Sepetdjian E, Saliba N, Shihadeh A. Carcinogenic PAH in waterpipe charcoal products. Food Chem Toxicol. 2010;48(11):3242-5.

     

  8. Chaouachi KT. The narghile (hookah, shisha, goza) epidemic and the need for clearing up confusion and solving problems related with model building of social situations. ScientificWorldJournal. 2007;7:1691-6.

  9. Waziry R, Jawad M, Ballout RA, Al Akel M, Akl EA. The effects of waterpipe tobacco smoking on health outcomes: an updated systematic review and meta-analysis. Int J Epidemiol. 2017;46(1):32-43.

     

  10. American Lung Association. Hookah Smoking: A Growing Threat to Public Health Issue Brief [Internet]. [2011?] [citadoem2016 mar 9]. Disponível em: http://www.lung.org/assets/documents/tobacco/hookah-policy-brief-updated.pdf

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top