O ROTEM tem a habilidade de prever sangramento em cirurgia cardíaca valvar?

10/04/2017 | 15:55

Autor: José Garcia Neto / Orientador: Dr. Pablo Maria Alberto Pomerantzeff
Data e Local: 10 de abril de 2017, às 8h na Farmacologia (3º andar – FMUSP)

RESUMO

Garcia Neto, J. O ROTEM tem a habilidade de prever sangramento em cirurgia cardíaca valvar? [Tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2017

Introdução: Considerando que uma melhor vigilância do estado hemostático dos doentes antes, durante e após o ato cirúrgico pode ter impacto significativo na sua evolução, e sabendo que os testes clássicos da coagulação têm limitações para avaliar a hemóstase na globalidade, e presumindo-se que o ROTEM seja um teste que permite efetuar esta avaliação da coagulação, fizemos hipótese de que este método seria uma ferramenta que teria a habilidade de prever sangramento em cirurgia cardíaca valvar. Objetivos: 1) Verificar se o ROTEM (Tromboelastometria Rotacional) ao analisar o estado da coagulação sanguínea de pacientes submetidos à cirurgia cardíaca valvar tem a capacidade de prever maior risco de sangramento com suas consequentes complicações; 2) Correlacionar comorbidades e história clinica pré-existentes à cirurgia cardíaca valvar com o nível de sangramento apresentado. Métodos: Foram incluídos 100 pacientes consecutivos submetidos à cirurgia cardíaca valvar com circulação extracorpórea (CEC) nos seguintes procedimentos: cirurgia cardíaca valvar em uma ou mais valvas, incluindo reoperações e cirurgias combinadas, realizadas no Instituto do Coração (INCOR) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Estudo prospectivo que buscou avaliar a eficácia do uso da tromboelastometria rotacional na previsão de sangramento em cirurgia cardíaca valvar.  Após a indução anestésica foram coletados: Tromboelastometria, coagulograma, fibrinogênio, dímero D e contagem de plaquetas; com a finalidade de verificar potencial risco de sangramento neste paciente. Correspondente ao tempo – 0 (T0). Estes mesmos exames foram recoletados na admissão na Unidade de Terapia Intensiva Cirúrgica (UTIC), onde o paciente foi recebido após o procedimento cirúrgico cardíaco valvar. Correspondente ao tempo – 1 (T1). Optou-se pela coleta de T1 na UTI, pois a CEC já terá sido descontinuada e a heparina revertida com a administração da protamina. Resultados: Os pacientes fora Resumo subdivididos em quartis de acordo com o sangramento, configurando um total (n) de 100 pacientes com uma média de sangramento (débitos dos drenos) de 492,95 mL, apresentando um desvio padrão de 388,14 mL e 2260 mL. Não foi encontrada nenhuma variável estatisticamente significante entre os grupos, comparando-se exames laboratoriais pré-operatórios, tempo de CEC, tempo de pinçamento e uso de drogas vaso ativas. Porém, ocorreu diferença significativa (p = 0,015) nos níveis transfusionais de hemocomponentes entre os quartis. Ocorreu uma relação significante (p =0,014) entre o nível adequado de calcemia e tendência a menor sangramento nos grupos estudados. Os resultados do ROTEM – INTEM, ROTEM – EXTEM e ROTEM – FIBTEM não demonstraram diferença estatística significante entre os grupos estudados. Considerando-se os desfechos, baixo débito, choque cardiogênico, arritmia, AVC, insuficiência renal aguda, óbito e reoperação, apenas a reoperação apresentou resultados com diferença significante entre os grupos (p=0,024). Conclusões: 1- O ROTEM não demonstrou a capacidade de prever sangramento em cirurgia cardíaca valvar. 2 – Não houve correlação do sangramento apresentado com as comorbidades pré-existentes.

Descritores: cirurgia cardíaca; tromboelastografia; doenças das valvas cardíacas; hemorragia; testes de coagulação sanguínea; complicações pósoperatórias; estudos prospectivos; perda sanguínea cirúrgica

Acesse a tese completa em PDF

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top