Papel do nível socioeconômico na sobrevida de pacientes com câncer de pulmão no município de São Paulo

10/02/2020 | 18:00

Embora haja avanços recentes no diagnóstico e métodos de
tratamento, o câncer de pulmão ainda está entre os mais prevalentes e mortais. Em São Paulo, escolhido como objeto de estudo devido à semelhança com outras metrópoles de países emergentes, a distribuição de renda e acesso aos serviços de saúde constituem alguns dos obstáculos para aqueles que residem em áreas de vulnerabilidade social. OBJETIVOS: Analisar o papel do nível socioeconômico na sobrevida global em pacientes com câncer de pulmão no município de São Paulo. Analisar a relação entre nível socioeconômico e estadio clínico; adequação de tratamento e tempo entre diagnóstico e tratamento. MÉTODOS: Estudo de coorte retrospectivo com pacientes do Registro Hospitalar de Câncer (RHC) com 8.627 pacientes diagnosticados com câncer de pulmão entre 2000 e 2013. Foram excluídos registros com ausência de endereço completo. As variáveis analisadas foram demográficas, socioeconômicas (Índice Paulista de Vulnerabilidade Social-IPVS) e clínicas. Realizou-se análise de qualidade do banco de dados, estatística descritiva, inferencial e de sobrevida. Consideramos p<0,05 estatisticamente significativos. Utilizamos software Stata 13 e o QGIS. RESULTADOS: A maioria dos pacientes era do sexo masculino (61%) e média de idade 64 anos. 36% possuíam ensino fundamental completo e 52% residiam em áreas de IPVS 2. A sobrevida global foi de 10 meses (4-22), sendo maior em mulheres, pacientes com estadios clínicos iniciais, nível superior e residentes em áreas com baixíssima vulnerabilidade social. Quanto mais avançada a doença, menor a proporção de pacientes que receberam apenas cirurgia e maior a proporção daqueles que não receberam tratamento. Pacientes residentes em áreas com IPVS 4 tiveram maior média de tempo entre diagnóstico e tratamento (48±57). Mulheres possuem menor risco de óbito que homens e aqueles com ensino fundamental completo, tinham 1,4 vezes mais chance de morrer que àqueles com ensino superior (HR=1,4 e p<0,000). CONCLUSÃO: Os fatores socioeconômicos (IPVS e escolaridade) são preditores independentes para sobrevida global em câncer de pulmão, assim como estão diretamente associados ao Estadio Clínico. A adequação de tratamento foi coerente com a literatura e a prática clínica. Moradores de áreas com IPVS 4, tiveram maior média de tempo entre diagnóstico e início do tratamento.

Descritores: Neoplasias Pulmonares, Vulnerabilidade Social, Análise de Sobrevida, Classe Socia, Mapeamento Geográfico.

Costa PB. Papel do nível socioeconômico na sobrevida de pacientes com câncer de pulmão no município de São Paulo [tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2019.

Autora: Priscila Berenice da Costa
Orientador: Prof. Dr. Ricardo Mingarini Terra
Programa: Cirurgia Torácica e Cardiovascular
Data e local: 10 de fevereiro de 2020, 8h, na Farmacologia – Av. Dr. Arnaldo, 455 – Sl. 3104 – 3º andar FMUSP.

Acesse a tese completa em PDF

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.


Publicidade
back-top