Vacina contra febre reumática pode mudar o tratamento de doenças autoimunes

A doença decorre de reações autoimunes desencadeadas por um tipo específico de faringite, a estreptocócica

21/05/2018 | 08:05

Vacina
Foto: Natali_Mis / iStock

A febre reumática já foi alvo de preocupação latente no Brasil. Era considerada uma das doenças mais importantes no país, cerca de uma década atrás, tanto por causa de sua incidência como por conta do gasto que representava para o sistema público de saúde.

Hoje, ela voltou para a agenda dos médicos e da indústria, mas por um bom motivo: uma nova vacina pode mudar o curso da doença no Brasil e no mundo.

Decorrente de reações autoimunes desencadeadas por um tipo específico de faringite, a estreptocócica, a febre reumática atinge, em geral, crianças e adolescentes suscetíveis, por predisposição genética, à bactéria Streptococcus pyogenes.

A doença se manifesta, geralmente, de duas a quatro semanas depois de contraída a faringite. Além da febre, que pode ou não ocorrer, ela provoca movimentos involuntários, dores nas articulações e indisposição. E, quando não tratada, acomete o miocárdio, podendo causar danos permanentes às válvulas do coração.

Um dos problemas de desenvolver esse tipo de valvopatia é que ela avança em silêncio. “A pessoa pode levar uma rotina normal, fazer exercícios e viver sem saber que tem a complicação. Mas, quando chega ao hospital, apresenta indícios de doença no músculo, com sintomas de insuficiência cardíaca”, explica Flavio Tarasoutchi – Diretor da Unidade de Valvopatias do Instituto do Coração desde 2014.

A incidência da doença preocupa os cardiologistas. A prevalência de novos casos de febre reumática chega a 30.000 por ano no Brasil. E metade, aproximadamente, desenvolve a lesão nas válvulas. A doença é a causa principal de cardiopatias na região sul americana.

No mundo, são 16 milhões de indivíduos que convivem com DRCs (Doenças Reumáticas Cardíacas), dos quais, aproximadamente 2 milhões têm doenças invasivas graves causadas por estreptococcias.

É, por isso, muito alentador o desenvolvimento da vacina brasileira contra a bactéria S. pyogenes. Além de ser uma possibilidade para a redução expressiva do número de novos casos de DRCs e melhora na qualidade de vida de milhares de crianças e jovens, representa um potencial tratamento para outras doenças autoimunes.

“Somos, hoje, o país que, provavelmente, mais contribuiu para o conhecimento da febre reumática”, diz Luiza Guilherme, pesquisadora do Laboratório de Imunologia do InCor e responsável pelo grupo de estudos em autoimunidade na Febre Reumática, que desenvolve a vacina contra o estreptococo pyogenes, um trabalho iniciado há mais de 20 anos. “A partir desse know-how, fomos buscar formas de prevenir a doença”.

Com uma equipe multiprofissional de médicos, biólogos e veterinários, o grupo de Guilherme conseguiu trabalhar em uma vacina que está pronta do ponto de vista científico.

Falta, agora, passar pelos ensaios clínicos com humanos – um processo que está a caminho. “E se conseguirmos fazer da vacina uma medida eficaz, ela poderá se tornar um modelo para o desenvolvimento de vacina para outras doenças autoimunes”, diz a pesquisadora.

 

Leia mais: Febre amarela: a hora não é para desespero

Veja também

21/09/2018 | Dieta saudável

A prevenção que começa no prato

Receba novidades do InCor

Escreva abaixo seu nome e email para lhe enviarmos nossa newsletter semanal com as últimas atualizações do portal Referência InCor.

Publicidade
back-top